Arquivo

ARQUIVO PRÓ-MEMÓRIA

O acervo do Arquivo Pró-Memória, da Fundação D. João VI de Nova Friburgo, reúne rica variedade de gêneros documentais. Até o momento, são aproximadamente 85 metros lineares de documentos textuais, bem como amplo material audiovisual, iconográfico, cartográfico e micrográfico. O Projeto de Digitalização do Arquivo Pró-Memória permite, gradualmente, que todo este conjunto documental seja disponibilizado ao usuário, via portal institucional ou in loco. O objetivo é preservar os originais e conceder acesso mais facilitado ao conteúdo da documentação, através da introdução de modernos recursos tecnológicos.

A documentação do arquivo na sua totalidade é produto de doações de instituições públicas e particulares, de pessoas físicas, ou da transferência de documentos “antigos” de órgãos da prefeitura para o que, de fato, se considerou (e ainda considera) como o “Arquivo Histórico” da cidade de Nova Friburgo.

No gênero textual destacam-se os documentos do Fundo da Administração Municipal (1818-1946) e a coleção de periódicos de Nova Friburgo e região vizinha, datando de 1890 o exemplar mais antigo. O referido fundo compreende três séries: a primeira, que reúne a documentação administrativa da Prefeitura de Nova Friburgo, entre 1916 e 1946; e, a segunda e terceira séries, a documentação administrativa de quatro outras instituições que a antecederam em atribuições. Note-se que a série da antiga Câmara Municipal da Vila Nova Friburgo (1820-1890), incorporou como parte indissociável do acervo da extinta Câmara da Vila, parcela da documentação da Diretoria da Administração da Colônia (1818-1831), que foi criada ainda no período colonial para administrar a instalação da primeira colônia de europeus não portugueses no Brasil, inicialmente suíços, em 1820, e depois alemães, em 1824. Já na série da Câmara da Cidade de Nova Friburgo, que funcionou entre 1892 e 1916, está contida também a documentação relativa à efêmera Intendência da Cidade de Nova Friburgo (1890-1892).

Na coleção de periódicos, os jornais da cidade merecem destaque. Em primeiro lugar, porque, no conjunto, oferecem ao pesquisador a possibilidade construir um painel da vida política e do quotidiano, dentre outros aspectos, da cidade e da região, inclusive da relação destas com o contexto mais amplo, desde o final do século XIX. Além disso, porque a importante coleção de jornais do Estado do Rio de Janeiro, disponível na Biblioteca Pública do Estado do Rio de Janeiro, foi lamentavelmente atingida por incêndio do prédio, nos anos 1980. O Arquivo Pró-Memória possui, dentre os jornais friburguenses mais longevos, coleção completa ou expressiva de “A Voz da Serra”, criado em 1945 e em circulação até hoje, e dos extintos “A Paz”(1906-1982), “O Friburguense”(1881-1936), “O Nova Friburgo” (1904-1979) e “Cidade de Friburgo”(1891-1924). Entre os jornais de mais curta duração, a coleção de “Pharol” (1913-1918) e os exemplares de outros, raros e/ou efêmeros, que sobreviveram, contribuem para completar o panorama acima referido.

Já na categoria de documentos iconográficos se sobressai a coleção de 19.000 fotos relativas à história da cidade e à paisagem natural, urbana, rural e humana, de 1870 em diante. Nas coleções de documentos cartográficos destacam-se a de mapas e de plantas da cidade e seus arredores, desde 1820. Como exemplo a planta da cidade de Nova Friburgo, no ano de 1884, realizada pela turma de formandos de 1883, da Escola Polytechnica do Rio de Janeiro, sob a orientação do Eng. Paulo de Frontin.

No que tange a documentação audiovisual destacam-se, o acervo de 1.984 long plays de baquelite e vinil da antiga Rádio Sociedade Nova Friburgo AM, gravados entre 1938 e 1980, que inclui alguns registros de anúncios veiculados; a coleção de 356 fitas k-7 com gravações de programa de rádios, de palestras, de depoimentos orais de autoridades e de figuras de destaque na vida cidade e de sambas enredo das agremiações carnavalescas locais; bem como, a coleção de 14 rolos de filmes 16 e 35mm de origem público-institucional ou privada. Nestes filmes, eventos oficiais, bem como cerimônias e festividades, públicas e privadas, foram o objeto do registro.

Os 455 rolos de microfilmes de registros financeiros diversos e cadastro imobiliário da Prefeitura Municipal de Nova Friburgo, entre 1948 e 1972, e os 6 rolos dos livros de Atas da antiga Câmara Municipal (1820-1888) são o destaque na parcela do gênero micrográfico do acervo. A documentação arquivística produzida originalmente em meio digital, dependente de equipamentos eletrônicos para serem acessadas ainda é relativamente pequena, porém, significativa; é o caso, por exemplo do material colecionado durante as entrevistas gravadas pelo programa de história oral da instituição, desde sua criação em 2008. Além de fotos digitais, aproximadamente trinta e cinco horas de depoimentos dos projetos “Memória da Antiga Rádio Sociedade Nova Friburgo-AM”, “Memória da Biblioteca Municipal de Nova Friburgo” e de depoimentos-piloto para desenvolvimento de futuros projetos.

O Arquivo Pró-Memória mantém, ainda, uma biblioteca especializada que complementa as coleções do arquivo. Nela o pesquisador encontrará livros, folhetos, teses, dissertações, monografias, projetos e publicações diversas referentes à Nova Friburgo e a região onde a cidade se insere.

Maria Ana Quaglino

Historiadora da Fundação D. João VI de Nova FriburgoPh.D. em História pela University of California, Los Angeles (UCLA)